quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Declaração Pública da Assembléia de Moradia da Unesp Araraquara

Reproduzimos abaixo declaração pública da Assembléia de Moradia Estudantil na Unesp de Araraquara.

Nós, estudantes da UNESP Araraquara e residentes na Moradia Estudantil, viemos através deste manifestar repudio aos casos de assédio sexual e moral dentro da Moradia. Reunidos em assembléia geral de moradores – realizada dia 1º de setembro – deliberamos pela expulsão do morador que, inúmeras vezes, assediou moral e sexualmente moradoras. Decidimos por essa atitude porque entendemos que é impossível aceitar qualquer forma de opressão – ainda mais em um nível tão absurdo - dentro de qualquer espaço, muito menos no da Moradia, que tem como fundamental tarefa abrigar os estudantes que não tem condições de se manter financeiramente na universidade. Cabe ressaltar que a luta dos estudantes da moradia é a de que todos que necessitem, estejam da moradia, mesmo que algum estudante seja considerado “irregular” pelos órgãos da direção da faculdade e lutamos pela construção de mais blocos de moradia para poder garantir a permanência de todos, a exemplo da greve dos estudantes de 2007 que nos possibilitou a conquista de mais 32 vagas através de um novo complexo de blocos que estão em construção. Nesse sentido a despeito do que o estudante que assediou os demais moradores, colocou que foi perseguido por ser “irregular”, afirmamos categoricamente que a decisão de expulsão foi decidida no marco da luta política contra a opressão às mulheres dentro da moradia. Fazemos aqui um apelo a todos os estudantes, funcionários e professores assim como ao conjunto das pessoas que se solidarizarem, que mandem moções e assinem o abaixo assinado contra esse ato intolerável impulsionado por deliberação da assembléia.

Solidariedade
(Assis, 26/09/09) Estou com vocês. Sou da Unesp de Assis, faço doutorado aqui e a coisa também não é fácil. Abraço! Érika Dolly

Um comentário:

The dolly sisters disse...

Estou com vocês. Sou da Unesp de Assis, faço doutorado aqui e a coisa também não é fácil.

Abraço!


Érika Dolly